terça-feira, 3 de abril de 2012

Dead Man's Bones

Hoje é dia de falar dessa banda muito querida por mim, que foi indicação do meu melhor amigo, quando soube que banda é do ator Ryan Gosling, que por sinal sou super fã dele, acompanho seus filmes desde Tolerância Zero, mas hoje é dia de música baby!
A banda foi formada em 2008, por Ryan e seu amigo Zach Shields, a intenção dos dois não era lançar um álbum e sim uma trilha sonora para uma peça de teatro.
As músicas do cd tem uma pegada bem mórbida, com temas sobre a morte e seres do outro mundo, como na música "Werewolf  Heart" que fala sobre amores impossíveis, num tom muito delicada a música, você consegue imaginar o sofrimento desse amor acorrentado dentro dele. De fundo nas músicas conta com ajuda do coral infantil do Conservatório de Silverlake, dando um tom mais funesto e calmo ao mesmo tempo para escutar enquanto se estuda ou até mesmo no trabalho.
Essa banda me traz algum tipo de paz quando escuto, não sei se é a voz do Ryan, a temática, mas é algo que escuto e não me sinto tão bem.

É a indicação para hoje galera, espero que vocês curtam o som deles, é uma pena que só tem um cd da banda, ainda espero que eles lancem mais cd's e quem sabe sair em turnê fora dos Eua e Canadá, quem sabe poderiamos ter o gostinho de ter a dupla Dead Man's aqui no Brasil.

Enquanto isso curtam um video da banda com a minha música favorita. Werewolf Heart

Enjoy folks

sábado, 31 de março de 2012

O desejo

                                           http://www.youtube.com/watch?v=DgQLQF8tUws

O post de hoje pessoal, é o vídeo sobre O que é o desejo?  Do psicanalista Ivan Capelatto no Café Filosófico, espero que vocês curtam essa palestra. Bom sábado folks!

terça-feira, 27 de março de 2012

The Six Feet Under

Apresento uma das minhas séries favoritas, The Six Feet Under, foi uma série exibida pela HBO em 2001 e teve seu fim em 2005, foram cinco temporadas sensacionais. O seu criador Alan Ball, elabora um mundo onde a morte está mais do que presente no cotidiano dessa família. Seus personagens são de personalidades únicas, como David, o primogênito é ele que cuida dos negócios da família, a funerária herdada de seu pai, seus irmãos Nate e Claire são os que querem uma certa distância da família e de todo esse sistema mórbido que é levado no cotidiano deles, a mãe Ruth, uma "control freak", perde seu controle quando seu marido morre em um acidente de carro e se vê diante de algo que é tão comum para eles transformar em uma desestrutura emocional, tendo naquele momento um colapso de como irá enfrentar a vida sem seu amado. A série tem outros personagens essenciais para série, principalmente Frederico, um funcionário da funerária, que lida com a morte numa tranquilidade e com respeito.

A série tem como foco abordar o prisma da morte em seu contexto filosófico e principalmente pessoal, como é você lidar com algo que está sempre presente, mas é sempre evitado falar, porque de certa forma sabemos o quanto é assustador você imaginar que irá morrer ou que um ente querido seu se vai, sem saber ao certo para onde vai, dependendo da crença você já está determinado inferno ou céu. Em A sete palmos, cada episódio que é exibido mostra a morte de algum cliente da funerária, dando o tom a cada episódio, isso faz com que cada personagem reflita sobre o que está acontecendo na sua vida, além da temática da morte, a série mostra os assuntos sobre a homossexualidade (seu personagem David com grande conflito interno de se assumir para família e demonstrar seu afeto por seu companheiro Keith Charles), infidelidade, religião e drogas.
O mais interessante dessa série é como eles lidam com a morte de seu pai e marido, em cada episódio ele aparece como se fosse o consciente de cada personagem para colocar em xeque todos conflitos que ocorre na vida dessa família, mostra um modo de elaboração de um luto de uma maneira completamente diferente e demonstra que elaboração para um luto deverá ajudar a lidar com a própria vida e seu cotidiano.
Bem, essa série eu acompanhei e retornei a assistir, pois ela para mim sempre trabalhará com um assunto de um enorme interesse para meus estudos, como uma elaboração de luto pela psicanalise pode acontecer, recomendo para todos assistirem, curiosidades a parte ela ganhou Emmys e Grammys de melhores série, ator, atriz, roteiros e entre outros. Outra curiosidade, para quem é fã de Dexter, o ator que interpreta David é o mesmo que faz o serial killer mais querido de todos, então vale mais que a pena conferir galera.

segunda-feira, 19 de março de 2012

O Palhaço

Vamos começar falando que eu sou uma GRANDE fã dos filmes do Selton Mello, desde o começo na década de 1990 ele fazendo o filme Uma Escola Atrapalhada, com os trapalhões (quem se lembra está ficando velho), e acompanhando sua evolução nas telonas, com papéis memoráveis como o Chicó em Auto da Compadecida (2000), adaptação do livro de Ariano Suassuna e o filme mais alternativo como o Cheiro do Ralo (2007), mas hoje falarei sobre o recém filme protagonizado e dirigido por ele, O palhaço.
Primeiramente, para quem tem uma visão distorcida do que é um palhaço, daquele que somente sabe fazer palhaçada de circo, esse filme mostrará totalmente o oposto. O filme mostra a vida do palhaço Benjamin e de seu pai Valdemar, que são donos de um circo mambembe na década de 1970, o personagem de Selton Mello sempre anima sua platéia por onde passa nas cidadezinhas do sertão, mas ele se sente deslocado, não está feliz com sua vida, em uma das frases dele durante o filme é " eu sempre fiz os outros rirem, mas quem me fará rir".
Então começa a sua jornada de auto descoberta e conhecimento, colocando em questão se realmente ele nasceu para ser palhaço ou não, esse filme me lembra muito a música do Cordel do fogo encantado, quando o Lira diz " Pai, me ensina a ser palhaço? Isso não se ensina seu bosta..." No filme mostra que o palhaço está além do entretenimento, mostrando que ele é sincero, fala o que ninguém coragem de falar, mostra o quanto as pessoas são ridículas em seu mundo e convivendo com sua hipocrisia . O mais puro palhaço que podemos tirar de exemplo é o Patch Adams, que do brilho nos olhos das pessoas pode-se fazer esses seres da alegria se realizarem.
O filme já teve grande número de espectadores, provando mais uma vez que o filme brasileiro é de qualidade. O Palhaço é um filme de muita graça e harmonia, mostra em seus cenários as situações de cada personagem, as vindas e partidas das cidades, deixando os sorrisos das pessoas que vão assistir os espetáculos do circo e cada personagem tem uma mensagem a mostrar para o público que for assistir no cinema. A trupe de atores para esse filme é extraordinária, realmente mostra o quanto é grande o potencial do Selton para diretor. Bem, o filme encerra com mais uma frase memorável...   " O gato bebe leite, o rato come o queijo e eu sou palhaço", mostra que todos nós temos um dom para mostrar ao mundo, basta encontrar e ser feliz com isso.

terça-feira, 30 de agosto de 2011

Intoxicação

video


O post de hoje é o curta metragem Intoxicação, filmado por Gaspar Noé, nele o ator Stéphane Drouot fala sobre drogas, desvaneios em inutilidades, cinema e pensamentos aleatórios. (Laranja Psicodélica)

Enjoy Folks